Volte ao SPIN

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Todas reclamações sobre ar condicinado quebrado para Gontijo

Os mais antigos se empenham em seguir o caminho da retidão, idealizam um mundo ideal, em que seus filhos, netos, bisnetos serão todos empenhados no trabalho, na retidão, bem como em servir aos povos das cidades,,..no entanto, como temos visto, muitos dos mais novos enveredaram pelo caminho errado, e isso não diz respeito a poucas, mas a muitas famílias, de forma que se faz necessário o exercício da soberania popular sobre as Instituições e pessoas jurídicas em geral, sejam elas de direito público ou privado, para que, submetidas ao interesse social, não debandem para o mundo do crime...aliás, nos EUA, dizem, o Estado tem forte controle e vigilância sobre cada passo das empresas privadas, não podem fazer o que dá na telha, como muitos imaginam....quer dizer, mesmo em regimes do tipo capitalista liberal, a coisa não corre solta como em nosso pais, estou me referindo aos casos de envolvimento de membros da família Gontijo com organizações criminosas, como fora reportado na página do Spin Rato ( https://spinrato.blogspot.com.br/2018/05/justica-decreta-prisao-da-familia.html )

Todas reclamações sobre ar condicinado quebrado para Gontijo
Gontijo
 Betim  02/04/18 às 11h50 Denuncie essa reclamação
SEI QUE ESSA SERÁ APENAS MAIS UMA RECLAMAÇÃO SEM RESPOSTA DESSA EMPRESA QUE NÃO TEM PRESTADO SERVIÇO DE QUALIDADE AOS SEUS PASSAGEIROS. VIAJ...
Gontijo
 São Paulo  29/03/18 às 20h35 Denuncie essa reclamação
Boa noite então compramos passagem eu e minha esposa, e meu filho tem 5 anos porém entranhais no ônibus e o mesmo não tem aquelas janelas qu...
Gontijo
 Belo Horizonte  28/02/18 às 11h56 Denuncie essa reclamação
A gontijo é uma empresa que desrespeita seus clientes diariamente e só continua porque nosso país não é um país sério !Quando de noite...
Gontijo
 São Paulo  12/02/18 às 02h10 Denuncie essa reclamação
Saimos no dia 29/01/18 de paulo afonso pra São paulo a viagem foi péssima o arcondicionado quebrado parecia que eu tava andando de pau de ar...

Idas e vindas dos Gontijo....

Os mais antigos se empenham em seguir o caminho da retidão, idealizam um mundo ideal, em que seus filhos, netos, bisnetos serão todos empenhados no trabalho, na retidão, bem como em servir aos povos das cidades,,..no entanto, como temos visto, muitos dos mais novos enveredaram pelo caminho errado, e isso não diz respeito a poucas, mas a muitas famílias, de forma que se faz necessário o exercício da soberania popular sobre as Instituições e pessoas jurídicas em geral, sejam elas de direito público ou privado, para que, submetidas ao interesse social, não debandem para o mundo do crime...aliás, nos EUA, dizem, o Estado tem forte controle e vigilância sobre cada passo das empresas privadas, não podem fazer o que dá na telha, como muitos imaginam....quer dizer, mesmo em regimes do tipo capitalista liberal, a coisa não corre solta como em nosso pais, estou me referindo aos casos de envolvimento de membros da família Gontijo com organizações criminosas, como fora reportado na página do Spin Rato ( https://spinrato.blogspot.com.br/2018/05/justica-decreta-prisao-da-familia.html )

Vamos falar do que é bom....

Gontijo: O poder Mineiro no ramo de transporte



quinta-feira, 5 de maio de 2011

Introdução ao cinema experimental / Introduction to experimental film.

 

por Bê Cubico, no Facebook
 
Em breve, as salas de cinemas deverão adotar os padrões da projeção numérica. Essa substituição do suporte argêntico do cinema é um fenômeno que reativa questões que estão no coração da prática cinematográfica, que sejamos espectadores, cineastas ou programadores. Estas  questões devem ser abordadas considerando o que se desenvolve hoje em termos de criação numérica e dos novos meios de difusão. As tecnologia numéricas facilitam a fabricação de filmes e renovam a linguagem cinematográfica e a internet abre um espaço de difusão potencialmente ilimitado.

As diferentes linguagens do cinema experimental foram incorporadas pelas novas mídias que estruturam nossos usos do digital. A história do cinema experimental permite-nos compreender a constituição dos softwares e da cultura digital. O objetivo desse curso é dar um panorama do cinema experimental através de sua história, conectando algumas das questões em jogo dentro do  filme experimental e  que estão no cerne do filme digital. Tais como: a desnarrativa da forma, a repetição, o loop, a permutação, a abstração e as formas ampliadas de cinema.

Vamos percorrer a história do mundo do filme experimental focada em temas e cineastas, como o cinema pessoal ( de Jonas Mekas e Marie Menken) e o cinema visionário (de Stan Brakhage e Carolee Schneemann).

As mecânicas do corpo (de Dziga Vertov, Fernand Leger, Germaine Dulac, Charles Dekeukeleire, Taka IImura, Andy Warhol…) que conduzirão o exame das questões de gênero no cinema e vídeo contemporâneos (Jean Genet, Derek Jarman, Barbara Hammer, Abigail Child, Wayne Yung).

As Questões sobre a narração serão investigadas através do trabalho de Mario Peixoto, Maya Deren, Abigail Child, Guy Debord, Hollis Frampton, Su Friedrich, Lisl Ponger.

Como ultrapassar a narração usando a música como um modelo e a abstração como um meio ( Len Lye, Oskar Fischinger, James Whitney, Philip Nilblock).

A abstração entendida não unicamente em termos de conteúdo das imagens, mas também como procedimento da edição , aqui os filmes de Marcel Duchamp, Henri Stork, Isidore Isou, Bruce Conner, Chris Welsby, Dore O, Jordan Belson, Antonio Sistiaga.

As questões da repetição e do looping serão abordadas com os trabalhos de Kurt Kren, Hollis Frampton, Paul Sharits, Tony Conrad, Joseph Robakowsky, Takashi Ito, Ladislav Galeta, Keith Sanborn.

As formas ampliadas do cinema serão trabalhadas com as obras de Paul Sharits, Valíe Export, Malcolm LeGrice, Toshio Matsumoto, Al Razutis e Antony McCall.

As conexões entre o computador, o vídeo e o filme serão tratadas com as obras de Stan VanDerBeck, Pat O'Neill, eRikm, Hugo Verlinde...

Ciclo de estudos com yann beauvais, cineasta, teórico e curador de mostras de cinema experimental na Europa e EUA. Organizou os livros: Monter Sampler, Paul Sharits, e recentemente escreveu a introdução dos livros de Jean-Michel Bouhours : Quel cinema  et de Lev Manovich : Le langage des nouveaux médias.
Foi Juri do Festival de Curtas de Belo Horizonte em 2010. Fez workshop para este festival e leituras na PUC RIO em 2008, 2007 e 2006. Curador do ciclo Autour de José Agrippino de Paula no centre Georges Pompidou em 2010.

Ciclo realizado em aulas avulsas de 2 horas com turmas previamente agendadas pelo tel: 81-98450049



Cinema theater have to adapt itself to the new digital means of projection. This parting from the silver age of cinema is a critical moment in which questions which are at the core of cinema practices are readressed,  being filmgoers, filmmakers or programers. Today, these questions have to be dealt in relation to the creativity of the new medias as much as with the distribution means. Digital technology ease the making and renew the cinematograhic discourses, while the web open unlimited potential spaces to show.

The object of this class is to give an overview of experimental cinema through its history.
This investigation will connect some of the issues at stake within experimental such as dis-narrative form, repetition, loop, permutation, abstraction, expanded forms are at the core of the digital.

We will scan through the world history of experimental films focusing on themes and film-makers such as personal cinema and visionary filmmaking (from Jonas Mekas, Marie Menken to Stan Brakhage, Carolee Schneemann), mechanic of the body (Dziga Vertov, Fernand Leger, Germaine Dulac, Charles Dekeukeleire, Taka IImura, Andy Warhol…) which will lead to gender issues in contemporary cinema and video (Jean Genet, Derek Jarman, Barbara Hammer, Abigail Child, Wayne Yung.

Questions about the narration will be address through works by Mario Peixoto, Maya Deren, Abigail Child, Guy Debord, Hollis Frampton, Su Friedrich, Lisl Ponger.

How to overpass narration while using music as a model and abstraction as a means with works by Len Lye, Oskar Fischinger, James Whitney, Phil Nilblock.

Abstraction seen not only in the content of the image but also within the processes of edition here films by Marcel Duchamp, Henri Stork, Isidore Isou, Bruce Conner, Chris Welsby, Dore O, Jordan Belson, Antonio Sistiaga.

The question of the repetition and the loop will be seen with some of the works of Kurt Kren, Hollis Frampton, Paul Sharits, Tony Conrad, Joseph Robakowsky, Takashi Ito, Ladislav Galeta, Keith Sanborn.

Expanded forms will be dealt with works by Paul Sharits, Valie Export, Malcolm LeGrice, Toshio Matsumoto, Al Razutis, and Anthony McCall.

A direct connection between computer, video and experimental films will be explained and shown through works by Stan Vanderbeck, Pat O’Neill, eRikm,  Hugo Verlinde…

yann beauvais, cineasta, and curator, Editor of the following books: Monter Sampler, Paul Sharits, and recently wrote the introduction of Jean-Michel Bouhours: Quel cinema and Lev Manovitch: The Language of The New Media. He was Jury member of the Belo Horizonte Short Film Festival in 2010 for which I gave a 3 days seminar. Gave lectures in 2008, 2007 and 2006 at PUC RIO. Curador for the cycle: Autour de José Agrippino de Paula, Centre Georges Pompidou in 2010.

Each class of 2 hours is autonoumous and shelduled in advance by phone 81- 98450049


LDAC-Rochechouart-InstallPhoto01.tif

Anthony McCall, "Line Describing a Cone" (1973), during the twenty-fourth minute. Installation view at the Musee de Rochechouart (2007). Photograph by Freddy Le Saux. Courtesy Sean Kelly Gallery, New York, Galerie Thomas Zander, Cologne, GalerieÊMartine Aboucaya, Paris. Freddy Le Saux
 

Biblioteca B³

por Bê Cubico,  via Facebook
Consultas em horário de funcionamento

Livros:
  1. Arte e Arquitetura Balanço e Novas Direções, VII Forum Brasília de Artes Visuais, Etapa B,  editora UnB, Brasilia 2010;
  2. Peggy AHWESH & Keith SANBORN : Vertov from Z to A, Ediciones La Calavera , New York 2007;
  3. Jacques AUMONT : O olho interminavel (cinema e pintura), Cosac & Naify, São Paulo, 2004;
  4. yann beauvais Tu, sempre #5, les livr&, Espace Gantner, Bourogne, 2003;
  5. Behind The Facts. Interfunktionen 1968-1975 ed by Gloria Moure, ediciones poligrafa, Barcelona 2004;
  6. Robert Breer Films, Floats & Panoramas, (FR & E) éditions de l’œil, Montreuil 2006;
  7. Robert FILLIOU : Enseigner et apprendre, arts vivants, Archives Lebeer Hossmann, Paris Bruxelles 1998;
  8. Hollis FRAMPTON : L’écliptique du savoir, film photographie vidéo, Centre Georges Pompidou, Paris 1999;
  9. L’intelligence Artificielle, mais enfin de quoi s’agit-il ? Université Paul Sabatier, Irit, Les livrets du service culture n°3, Toulouse 2001;
  10. Pierre LEVY : Cibercultura La cultura de la sociedad digital, Anthropos, México 2007;
  11. Anthony McCALL The Solid Light Films and Related Works, ed Christopher Eamon,  Steifdl Göttingen  2005;
  12. Lev MANOVICH : Le langage des nouveaux médias, Les presses du Réel,  Dijon 2010
  13. Viktor MAYER-SCHÖNBERGER : Delete The Virtue of Forgetting in the Digital Age, Princeton University Press 2009;
  14. Le Parc Lumière  obras cinética de Julio le Parc,(Es & E) Daros-latinamérica, Hatje Cantz 2005
  15. Light Cone Catalogue 2001, Paris 2001;
  16. montersampler L’échantillonnage généralisé, ed yann beauvais & Jean Michel Bouhours, Centre Georges Pompidou/Scratch, Paris 2000;
  17. Mot : dites, image, ed yann beauvais, Centre Georges Pompidou, Scratch, Paris 1988;
  18. Notations, Kalkül und Form in der Künsten, Akademie der Kunst, Berlin & ZKM, 2008;
  19. Projecting Questions? Mike Hoolboom’s Invisible Man between the art gallery and the movie theatre,  Art Gallery of York University, Toronto 2005;
  20. Retratos do Brasil Homosexual Fronteiras, Subjetividades e Desejos, Horácio Costa et aled usp  Imprensa oficial, São Paulo 2010;
  21. Ricardo ROSAS & Giseli VASCONCELOS : net_cultura 1.0 Digito-fagia, Radical Livros, São Paulo 2006;
  22. Scratch Book, ed yann beauvais & Jean-Damien Collin, Light Cone, Paris 1999;
  23. Paul SHARITS  (Fr) ed yann beauvais Les Presses du Réel, Dijon 2008;
  24. Paul SHARITS (E) ed yann beauvais Les Presses du Réel, Dijon 2008;
  25. SHARITS / ROBAKOVSKI : Attention : Light !  Center for The Arts Sreening Room, Buffalo 2004;
  26. P. Adams SITNEY : Visionary Film The American Avant-garde 1943-1978, second edition, Oxford University Press 1974-79;
  27. The Best Surprise Is No Surprise, e-flux & JPRinguier 2006;
  28. Teoria Digital Dez anos do file Festival Internacional de Linguagem Electrônica, FILE/imprensa oficial, São Paulo 2010;
  29. Bill VIOLA : Reasons for Knocking at an Empty House, Writings 1973-1994, Thames & Hudson (1995), London 2002;
  30. Alain et Odette VIRMAUX : Artaud Dulac, Paris Expérimental, Paris 1999;
  31. Jeff WALL : Essais et Entretiens 1984-2001, ENSBA, Paris 2001;
  32. Ismael XAVIER : O Discurso Cinematografico A Opacidade e a Transparëncia Paz e Terra, São Paulo 2005;

Catálogos:
  1. Mariana Abramovic : Transitory Object For Human Use, (English & Português) Galerie Brito Cimino, São Paulo 2009;
  2. Edson BARRUS, yann beauvais, Alain JOSSEAU : La Montagne Sainte Victoire, vue’s) et revue(s), K-livres, Aix en Provence 2006;
  3. Miguel Rio Branco, Out of Nowhere,  MAM/BA  1996;
  4. A Cidade do Homen Nu, Museu de Arte de São Paulo, 2010;
  5. Afinitats electives, Afinidades electivas, La panera, Lleda 2008;
  6. A função do espaço publico no âmbito das artes cênicas, Funarte, Rio de Janeiro 2009;
  7. Robert Cahen, Passaggi Video Installazioni 1979-2008, Edizioni Fondazione Ragghianti, Lucca 2009;
  8. CHINE(S) Vidéoart et cinéma expérimental de Chine Populaire et de Taiwan, ed yann beauvais, Light Cone, Paris 2003;
  9. Cinema Marginal Brasileiro e suas fronteiras, Filmes produzidos nos anos 60 e 70, Heco Produções, 2004;
  10. Raymundo Colares curadoria Luiz Camillo Osório, Museu de Arte Moderna de São Paulo  2010;
  11. Collateral 2, Quando a arte olha o cinem, curadoria  Adelina von Fürstenberg, a SESCSP, São Paulo 2008;
  12. Cinema expérimental américain 1905-1984  Scratch / La cinémathèque française, Paris 1984;
  13. Comme un grand ménage de printemps, La valise Nantes 2007;
  14. Emoção art.ficial 4.0 emergencia, Itau cultural, São Paulo 2008;
  15. Filmes de artista Brasil 1965-80, Fernando Cocchiarale, Contracapa, Oi Futuro, Rio de Janeiro 2007;
  16. Found Footage ed Mattaias Müller Bielefeld
  17. Anthony McCALL Elements pour une rétrospective 1972-79-2003, (Fr & E) Musée Rochechouart & Serpentine Gallery, monografik-editions, 2007;
  18. Paulo Meira A Marco Amador – sessão  A Perder de Vista, Galeria Marcantonia Vilaça, Santander Cultural,  Recife 2011;
  19. Jonas MEKAS : Films immobiles une célébration, galerie du jour, agnès b,  (FR & E) Paris 1996
  20. László MOHOLY-NAGY, Musées de Marseille, réunion des Musées Nationaux, Paris 1991
  21. Gregory Markopoulos 1928-1992 Retrospective de 1940 a 1971, ed yann beauvais (FR & E) American Center, Paris 1995;
  22. Le Je filmé, ed yann beauvais et Jean Michel Bouhours Centre Georges Pompidou et Scratch, Paris 1995;
  23. on_off experiencias em live image Itau Cultural, São Paulo 2009;
  24. Passages de l’image, Raymond Bellour, Catherine David,Christine Van Assche, Centre Georges Pompidou, Paris, 1991;
  25. Paul Sharits, Espace Gantner, oct-Dec 2007;
  26. Programadora Brasil, numero 1 São Paulo 2007;
  27. Plus qu’une image, programme vidéo nuit blanche Paris 2002;
  28. Veit Strattmann, Rond Point au mammouth, ed PPT 2003;
  29. Vidéoformes 2006, Clermond-Ferrand 2006;
  30. Warhol Film & Television ed yann beauvais (FR & E), American Center, Paris 1994;

Revistas:
  1. EXPLODING 10+1  Etat des yeux, Paris 2006;
  2. FILM CULTURE n° 65-66  Paul Sharits, New York 1978;
  3. Global numero 2 maio/junho/julho 2004;
  4. PikNik Revista Nós contemporâneos barrus MàImpressão  2011;
  5. Que Corpo Esse ? Revista Nós contemporâneos 13 barrus MàImpressão   2011;
  6. PRATIQUES n°14 : Expérimentations cinématographiques : une vision de l’art élargie, Presses Universitaires de Rennes, Automne 2003;
  7. Revue&Corrigée n°77 septembre 2008;
  8. Revue&Corrigée n°78 décembre 2008;
  9. Revue&Corrigée n°87 mars 2011;
http://www.facebook.com/home.php#!/notes/b%C3%AA-cubico/biblioteca-b%C2%B3/112749158809276

sábado, 30 de abril de 2011

No Facebook do Becubico,

Fiz a tradução no Google Tradutor, ao final da postagem o link para o texto original


Artes Digitais UCSC e New Media 2011 Exposição MFA: permutações


Permutações
http://danm.ucsc.edu/permutations
Info

30 abril - 1 maio e maio 05-08, 2011 (04/10) Recepção: sexta-feira 06 de maio, 05:30-07:30 h Recepção anterior:
Discussão por Steve Dietz: sexta-feira, a recepção Após quatro horas: um desempenho livre de uma ópera de recém-composta, 20:00
Contato

danm@ucsc.edu
Felicia Rice
011 - 1-831-459-1554
011-1-831 459-1915
Endereço


http://danm.ucsc.edu/permutations
DaNm na UC Santa Cruz
1156 Alto Santo
Santa Cruz, CA 95064
EUA

Partilhe este anúncio em: Facebook | Twitter

As Artes Digitais e New Media programa do MFA em UC Santa Cruz apresenta uma exposição de dez estudantes de pós-graduação, cujas obras empregam tecnologias avançadas para o potencial impacto social e criativa.

Intitulada Permutações, este ano o UCSC daNm exposição MFA é o culminar de dois anos de pesquisa e exploração artística, e irá incluir novas mídias obras que exploram a interatividade performatividade e participação. Através de histórias sobre os locais, horários e jogadores, estes artistas com experiência de mídia digital para produzir resultados imprevistos e permutações.

Curador Prof Soraya Murray ressalta: "Muito do trabalho está orientada para o experimental. Ela encoraja os participantes a ter uma experiência prática em relação às preocupações sociais e éticas, ou até mesmo em relação ao simplesmente estar no mundo. O trabalho pergunta: "como podemos pensar diferente sobre isso, ou se para isso de um ângulo totalmente diferente?" Esta é uma das grandes contribuições que a criatividade faz - ele empurra passado, a espera chega a mais de compreensão que, por sua vez libera novo potenciais. "

A recepção do show em 06 de maio será precedida por uma palestra de série plataforma criador Steve Dietz, intitulado "entre a mídia ea Arquitetura", no âmbito das Tecnologias de Arte e Cultura Colóquio em UCSC. O presidente, fundador e diretor artístico do Norte Lights.mn, Dietz tem organizado e com curadoria inúmeras exposições contemporâneas e os novos meios de arte, incluindo Bienal 01SJ. Ele fala e escreve extensivamente sobre novas mídias, e ensina a arte sobre a curadoria e digital.

De sua casa, no novo estado-da-arte da Digital Arts Research Center (DARC), as Artes Digitais e New Media MFA Programa de UC Santa Cruz reúne as artes, engenharia, ciências humanas e para a produção artística e acadêmica investigação no contexto de uma ampla investigação em artes digitais e culturas.

http://danm.ucsc.edu

FONTE: http://www.e-artnow.org/announcement/article/ACTION/5425/

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Bê cúbico: fotos da inaguração


Mais fotos, clique aqui  (para inscritos no Facebook)

Arte e tecnologia: Alemão Thomas Köner inaugura galeria Bcúbico

Por Diana Moura, Jornal do Commercio

De trás para frente: Cesar Barros, Yan Beauveais e Edson Barrus.

Ricardo B. Lebastier/JC Imagem

Galeria é primeira do Estado exclusivamente especializada em mídias digitais

 

O Recife ganha nesta quinta-feira (dia 7/4) a B³ (lê-se Bcúbico), primeira galeria do Estado exclusivamente especializada em mídias digitais. A iniciativa é compartilhada pelo arquiteto César Barros e pelos artistas Yan Beauvais e Edson Barrus.

O espaço é reservado para criações que utilizem a tecnologia como suporte, seja em vídeo, fotografia, instalações. Segundo Edson, não se trata apenas de privilegiar o computador como ferramenta. É preciso que toda a pesquisa plástica seja intermediada pelo digital.

A obra de inauguração da B³ é assinada pelo artista alemão Thomas Köner, que transita pelo universo das artes plásticas e do vídeo contemporâneo, com peças em diversos formatos. Na galeria recifense, ele apresenta o vídeo La barca e uma instalação em áudio que cria um ambiente imersivo.
Para apresentar a obra dos artistas, a B³ dispõe de três ambientes. O primeiro é voltado para instalações, o segundo para mostras de vídeo e o terceiro é reservado para o acervo do Espaço Multimídia Gantner, uma importante biblioteca francesa com filmes, vídeos e discoteca digital disponíveis para consulta.

O maior desafio da galeria é instigar no público pernambucano o desejo pelo consumo de obras de arte digital. Abertura da exposição do artista plástico alemão Thomas Köner e inauguração da B³, hoje, às 19h.

Serviços

Abertura da exposição do artista plástico alemão Thomas Köner e inauguração da B³, hoje, às 19h. A galeria ocupa o quinto andar de um prédio na Rua do Bom Jesus, nº 172, Bairro do Recife

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/artes-plasticas/noticia/2011/04/07/alemao-thomas-koner-inaugura-galeria-bcubico-1015.php

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Os óculos 3D e a arte viral


Gostei muito desta postagem e a trouxe prá cá para não perdê-la de vistaClone de "Os óculos 3D dispensáveis" Enviado por luisnassif, ter, 05/04/2011 - 15:33 Por IV Avatar do Rio Meia Ponte
Vc quer assisitir a um filme 3D usando os óculos ou piscando os olhos que nem uma asa de beija-flor ou borboleta?
Explico:

Do Facebook de Bê Cubico

B³ tem a ver com a difusão por instrumentos e plataformas abertas para todas as formas de práticas digitais associadas com outros meios artísticos com transmissão em fluxo. Experimentações de artistas ou grupos e coletivos que se caracterizem pelo uso de sistemas de informação em meios eletrônicos e digitais.

Os processos desenvolvidos pelo computador estão no centro de uma transformação dos nossos modos de pensar e de agir. E a criação contemporânea participa, acompanha e antecipa às vezes estas transformações. BCUBICO inscreve-se nesta transmissão. Situada no Recife, é uma agencia de conexão que torna acessíveis ao Nordeste do Brasil obras, caminhos, processos e agenciamentos contemporâneos que vão do cinematográfico ao virtual. O fluxo das imagens nos permite mostrar propostas raramente vistas na região.

B³ é um lugar de aprendizagem e consulta de documentos, filmes e obras numéricas, promovendo leituras, cursos, oficinas e debates para diferentes públicos.

B³ apoiará projetos de criação de obras de arte interativas ou transmidiáticas, web-art, Net- arte, Ciberarte, Bioarte, Gamearte, Arte Viral, TV web, Mídias Móveis e Intervenções Urbanas com mídias digitais, performances de cinema ao vivo, Dança & Tecnologia, Realidade Virtual, Arte Gambiarra, Tecnologias Imersivas, Música eletroacústica, Ações de Midiativismo, Performances Híbridas com meios digitais e outras linguagens artísticas.

B³ é uma iniciativa de César Barros, yann beauvais e Edson Barrus, e funciona de quarta-feira a sábado de 14 às 19 horas.


B³ is dealing with the spread of open platforms and tools for all forms of digital practices associated with media to broadcast in flux. Experimentation by artists and collectives that are characterized by the use of information systems in electronic and digital media.

The processes developed by the computer are transforming our ways of thinking and acting. Contemporary creation participates, follows and sometimes anticipate these transformations. BCUBICO surf within this transmission. Located in Recife, BCUBICO  is a connecting agency for which works, paths, processes and assemblages that range from contemporary film to virtual are available for the Nordeste region of Brasil. The flow of images allows us to showcase proposals rarely seen in the region.

B³ is a place of learning and consultation documents, films and digital works promoting lectures, courses, workshops and debates for different audiences.

B³ will stand for works of art or interactive expanded medias, web art, net art, Ciberarte, bio, GameArt, Arts, Viral, Web TV, Mobile Media and Urban Interventions with digital media, live theater performances, dance and technology, VR, AR, immersive technologies, electronic musics, media activsm. Hybrid performance with digital media and other art forms.

B ³ is an initiative of César Barros, yann beauvais and Edson Barrus. Open from Wednesday to Saturday: 14 to 19 hours.

http://www.facebook.com/#!/bcubico